terça-feira, outubro 03, 2006

Chuva

por causa de ti demoro normalmente o dobro do tempo nas viagens e posso considerar-me com sorte, por não ser um dos que teve um acidente.
Ontem por tua causa, e por seres tão intensa, por duas vezes só me apetecia parar o carro e esperar que te fosses embora, mas não sabia quando ias e eu queria chegar a casa.
Não via nada, só a ti, seguia em frente, muito lentamente, porque sabia que estava numa recta, e porque ali no meio da autoestrada era impossível parar, qualquer operação que não fosse continuar em frente era demasiado arriscada.
Felizmente não foi assim durante toda a viagem, senão acho que teria mesmo parado na primeira oportunidade segura.

1 comentário:

ana disse...

já somos duas!